segunda-feira, 12 de julho de 2010

Borbulhar da alma.

*Chentchy, tô famosa! Ó eu no Manga com Pimenta, da Super Nanaaaaaa!!!!

*Sou uma pessoa que precisa do Belo.

Nãaaaaaao, não é desse Belo não, pelamor! (Aliás, esse Belo aí é um paradoxo.)
Esse eu deixo pra não menos gata Graciane-Gracyane-Gracyanne (mostrando a evolução de um nome aparentemente simples).

Eu preciso estar em contato com o Belo; o Belo da vida, o Belo da alma, o BELO.

Sabe quando você lê um texto que te toca na alma fazendo borbulhinhas por dentro?

Quando você vê uma obra de arte que te emociona?

Faz parte do Belo.

Eu preciso ler coisas bonitas, ver coisas esteticamente bonitas, ouvir coisas bonitas. Minha alma precisa disso.

Quando eu estudava, tinha o privilégio de estar sempre em contato com o Belo. Quando eu li os três volumes da "Mitologia Grega", do Prof. Junito de Souza Brandão, sem ser pra fazer trabalho, prova etc, porque eu quis, eu senti o Belo.(Podem sentir-se a vontade pra me dar de presente; duzentosconto na Americanas).
A mitologia grega é impressionante; um mito mais lindo que o outro! (Dá uma olhada na figura aí do lado da Deméter; passa o mouse e lê o texto que eu catei da net sobre ela. Não, não é coincidência ela ser a deusa da fertilidade, rá).

Quando eu leio certas coisas de Drummond (da fase da "Rosa do Povo") eu fico com uma lagriminha no canto do olho. É o Belo fazendo cosquinha na minha alma.

Quando eu ouço algumas músicas, como, p.ex. "Oscillate Wildly", dos Smiths, eu sinto o Belo.

E minha vida atual tá meio que sem essa presença. A rotina é corrida, o $ e o tempo vão pra outras coisas e tal e... Cadê a beleza de dentro? Ficou lá trás...

Aqui em casa é mei difícil porque vivo com homens e crianças. Então, sempre é uma bagunça. Sapato pelo caminho, brinquedo pelo caminho, migalhas de pão, biscoito etc pelo chão, respingo de água, suco pelo chão, camisa do Flamengo pendurada no berço do menino (oi, amô) etc.

E pra coisa ficar decente aos meus olhos sou só eu mesmo. Não sou neurótica (nãaaaaaaaao, mas quem disse isso); já fui bem pior (como se fosse possível), mas a densidade demográfica cresceu e a mão-de-obra doméstica não evoluiu da mesma forma.

Os cuecas morantes fazem algo, mas a grande e pesada parte fica a meu cargo.

Minha casa não tem um objeto de decoração. Dias atrás que botei 2 porta-retratos e um vasinho fofo na cômoda do quarto. E é só. Aridez de beleza total. E me faz falta.

Pode pensar que é frescura de mulher (de repente até é mesmo), mas eu preciso!

E já li ou ouvi sei lá onde e quando que o Belo é o alimento da alma do ser humano. Que o homem cria por necessidade, e quando digo 'cria' falo de arte; música, poesia etc.

É hora de rever as minhas prioridades, catar um rumo de fazer alguma coisa pra borbulhar de novo o Belo cá por dentro. Bóra.

(Duvido que você não tenha ficado com a imagem do Belo cantor na cabeça depois dessa. Boa segunda-feira pra você também, muah).

6 comentários:

Fala Mãe! disse...

Malígna, preciso do gianechini agora pra tirar esse Belo da minah cabeça rs...vi teu bolo tá, diliça! beijo

Jussara Monteiro disse...

Você precisa do Belo e sua vida, né? rsrsrsrs Sei do que vc fala, mana. Será que estamos muito passivas diante da vida? Será que temos como conciliar a loucura doméstica com as benesses que só o ócio traz? Vivemos para os outros (outros lindos, fofos, ...) mas nossa necessidade do "talmátzim" (sorry, não sei transliterar) fica nos esfregando na cara que precisamos ser. Ser...

Rosana Francisco disse...

Bia....sei o que sente...senti isso por muitos anos desde que parei de trabalhar pra cuidar dos filhos(seus irmaos por sinal), se estava certa ou errada em abrir mao de tudo pra cuidar da casa, da familia...hoje posso te dizer que sou feliz por isso ...
mas a sua resposta só voce pode ter mesmo..eu não me arrependo de nada, não ligo pra torcida que me critica de ficar em casa, ser dona de casa principalmente...achando que vou ficar burra por isso.....essas tolices que sempre dizem quem não tem o que fazer...
sinta orgulho do que faz, é so o que posso te dizer...nunca se sinta inferior a ninguem, ser mae é um dom não é pra qquer pessoa, facil por filhos no mundo e deixar em escolinhas, com as avos e tias, dificil mesmo é criá-los, ter rotinas cansativas mas que valem muito a pena e que só nos maes 24 horas temos o prazer de desfrutá-las..
essa fase passa...paciencia é tudo que precisa...e vc consegue pode ter certeza..
arrume um periodo no dia pra fazer algo por voce e seja feliz..
nossa escrevi um livro mas ser dona de casa e mae é tao maravilhoso, acho que deveriam defender uma tese nesse tema, assino embaixo..hehehe
bjossss e lindo dia pra nos....
vc tem seus valores e meritos...tem um marido que reconhece isso e nada mais importa...pense nisso...

Andreia Vieira disse...

Entendo perfeitamente o que vc diz amiga... engraçado, eu tb sinto coquinhas lendo Drummond e Manuel Bandeira... entre tantos outros... por isso acho que procurei o artesanato... minha vida mudou muito depois de incorporar ao meu dia-a-dia essa atividade artística... e eu acho que vc pode procurar esse caminho tb... mas vai ter de deixar a casa um pouco de lado, porque se for esperar ter tempo não terás nunca...

Anônimo disse...

a poesia, música, as mitologias..... são o alimento pra alma, é o motor mesmo Bia. Hahahahaha, e sem contar os ´´colírios´´ que a Fala Mãe super bem lembrou né?
bjk
madoka

Bagunçaetc... disse...

Adorei seu humor!!! E vamos curti o belo, não sendo o Belo da foto!!rsrs. Abraços