quarta-feira, 8 de junho de 2011

Mimimi.

*Daí que ontem passou uma senhora ventania por aqui. O dia todo ventando móito. De tarde o céu ficou cor de burro-quando-foge, de tanto vento e poeira. E lá pelas cinco, cinco e pouco, o tempo começou a escurecer. Eu fui fugindo da chuva até a escola dos meninos.

Quando cheguei lá, cinco e vinte e cinco, o céu já tava preto. Foi o tempo de dar o sinal e os meninos subirem que desabou o toró. Artur já tinha subido antes, porque tava reclamando de dor no ouvido. Perguntei pra ele por que o ouvido tava doendo, e ele "Porque eu botei uma semente lá dentro..." o_0 Olhei meio por cima, vi nada, deixei quieto. Ficamos na biblioteca até umas seis horas, quando a chuva deu uma parada. Corri botar todos no carro e me pirulitar dali.

Rá. Botei o carro na Dom Pedro, desabou o mundo. GRAZADEUS tava tudo parado (como sempre), porque não tinha a menor condição de andar dez metros. Muita chuva, muito vento, um horror. Dava pra ver só duas manchas vermelhas, dos faróis do carro da frente. Eu senti minhas perninhas tremendo nos pedais do carro. SÔ MEDROSA, E DAÍ?

Bom, a chuva foi parando, ficou mais calma. Demorei um pouco mais, pois fui buscar o Gomes onde ele desce do ônibus; fomos pra casa.

Chegando em casa, falei pro Gomes o que o Artur tinha me dito. Ele pegou uma lanterna e olhou com atenção. É. Tinha mesmo um feijão no ouvido do menino. Bem lá dentro (Hoje a professora me disse que eles tinham feito plantio com feijõezinhos ontem).

Peguei o menino e levei num pronto-socorro aqui perto; já era sete e meia da noite. Mais um pouco de congestionamento, um tanto de espera pro pediatra dizer que não podia tirar. Pra eu voltar no dia seguinte e passar com o otorrino, já que não tinha um de plantão. Voltamos pra casa, eu e Artur.

Mais de oitimeia da noite, chego em casa. Gomes dá banho nas creonça. Minha mãe me liga, dizendo pra eu tentar em outros lugares, ver se tem otorrino de plantão. Liguei num especializado nisso (otorrinolaringologia). A Dra. de plantão disse que tinha que tirar mesmo, porque se já tomou banho pode ter molhado o feijão, e ele pode ter amolecido e descido mais ainda no canal do ouvido.

Bom.

Dez da noite eu lá no centro da cidade, com Artur. Dra. Tchutchuca tirou o feijão rapidinho e, dez e meia da noite eu tava em casa.

Mortinha, né.

Daí vou lá tomar banho... O chuveiro não esquenta. Quer dizer, esquentar esquentou. Mas tipo quando o chuveiro tá no modo 'verão'. No frio de ontem a noite.

Ah, mano. Num guentei.

Sentei na tampa do vaso e comecei chorar. Chorei mermo; todo o nervoso e tensão de estar no carro-ovo no meio daquela chuvarada e ventania, com os meninos brigando e chorando atrás; do enino ter enfiado o feijão no ouvido e o pediatra do PS não ter tirado; de pensar que ia descansar e ter de sair de novo pra levar menino na Dra. Otorrina; do frio que tava no centro da cidade; do segurança do hospital que falou pra ir eu rapidinho pro estacionamento porque ali era muito perigoso, e eu sozinha com Artur; do moço da guarita do estacionamento falar a mesma coisa e eu apavorar mais um pouquinho e, finalmente, chorei porque a porcaria do chuveiro nem pra me esquentar pra mór de eu tomar um banho quente depois de tudo isso.

E tomei banho frio mesmo.

Me meti no pijama...

Depois nas cobertas...

E fui dormir de cara inchada.

Fuén.

*todos chora*


PS1.: Porque na vida a gente passa por tudo isso mesmo, né. SÓ NÃO PRECISAVA SER TUDO NO MESMO DIA!
PS2.: Pra você que pensa assim "ah, mas tem gente sofrendo mais do que você; tem criancinhas passando fome, tem gente perdendo entes queridos etc" é verdade, tem tudo isso e muito mais, mas me deixa curtir minhas frustrações adequadamente. Até porque meu sorriso poliana não vai mudar a situação desses que estão sofrendo mais do que eu. E mais: gente que é feliz e sorri o tempo todo, até quando não dá conta dessas coisas que acontecem na rotina, ME DÁ MEDO. Sofrer meus pequenos dramas enquanto outros sofrem dramas muito maiores não me traz culpa. Cada um com seus problemas.

17 comentários:

Nina de Oliveira disse...

Nossa BIa! Que barra fia. Até parece coia de cinema. Mas eu sei que não é. Apesar de ter filhos crescidos, ainda não sinto a leveza nos ombros e costas. Muita barra pra segurar e muito pranto pra prantear.
Fique firme.

Beijos

Marjô Kuin disse...

Me solidarizo, tem dias que realmente não são faceis, e você é uma guerreira, dia e noite na luta...tem mais que se permitir chorar mesmo. beijo grande.

Jacque disse...

TE entendo e te compreendo mana, tô na mesma, griapdérrima, marido viajando, cansada, com sono, garganta começando a doer, e o dia nem acabou. Ainda tem serviço de Jarbas pra pegar meninos, ficar com os meninos sozinha... é dose...

Aprendendo com Davi disse...

Oh Bia, lhe empresto meu ombro...
N temos a obrigação de rir o tempo todo...as x o acumulo do stress diário, faz dessas coisas...e temos todo direito de por pra fora!
Bjs grande.

Alessandra disse...

Oi Bia, tem dia que é para dar tudo errado né? E você tem todo direito de reclamar sim.
D. Pedro lotada com chuva, chuveiro frio e duas idas no PS no mesmo dia é sacanagem.
Mas ainda bem que tirou o feijão. Já aconteceu com uma sobrinha de brotar a semente no nariz. Teve que fazer cirurgia. Estas crianças ...
Felizmente ontem trabalhei em casa a tarde e não precisei enfrentar a chuva e o vento. Mas marido chegou bem tarde porque ficou esperando o transito melhorar.

Renata Luppi disse...

Já disse que vc é um exemplo ! 4 filhos e ainda consegue ter bom humor !!!
Não podemos ser fortes sempre... e fortes são aquelas que sabem fraquejar na hora certa...

TE DEDICO !!!!!

Carol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maiby Martins disse...

o bom disso td é que vc pos os fantasmas pra fora e não arquivou pra se auto-torturar depois.
e já passou.
tb tenho dias assim e sei bem o que é chorar na cama quente.
bejins, me bloga, me tuíta.

Fabi Coltri disse...

Ômopai!

Fica assim não nega.
Passou, respira, respiraaaaa!!

Banho gelado??
Eu nem banho tomava se o chuveiro não esquetasse, tu ainda é limpinha, tá vendo?!

=o)

Sualinda!

Bjooos

Sealvia disse...

Ô meu amô... eu tinha era chorado muito antes! Foi muita tensão!
Beijinhos solidários

Anônimo disse...

qdo precisar (espero que não)mas pode passar aqui e seu pai com certeza ira com vc....abs

Heloiza Stein disse...

Primeira vez visitando seu blog. Adorei!!! Não o que aconteceu com vc, claro!!!, mas o modo como vc escreveu... Tem dias melhores e tem dias piores e pq não podemos sentar e chorar???

Abraços

Que Deus abençõe vc e sua família

Heloiza

Ana Carolina Amado disse...

Tem dias que são dias... é melhor nem comentar muito...

Rita disse...

Meldels!!!!!!!!!! Que sufoco! Eu já teria começado a chorar no carro, ali, na segunda cena.

Beijo!
Rita

Ma disse...

Disse tudo, ninguém tem obrigação de estar bem o tempo todo, quem diz que está faz é fachada. E não é porque há dramas e tragédias maiores que os pequenos dramas deixam de existir. Tô contigo e não abro. Bjs Ma (seguindoahistoria.blogspot.com, só pra vc lembrar quem eu sou :)

banzai disse...

bia,
vontade de te dar um colinho e chorar junto contigo, rs...
te entendo perfeitamente, tô aqui chorando junto contigo porque né! porque tem dias que a coisa é brava por aqui também.
bjinhos nocê
madoka

Mila disse...

Sou dessas. Choro mesmo, muito. Vontade de grudar na porta e descer escorrendo de frustração e tristeza até o chão, mas nem isso posso.
Viver é essa barra aí, e uma das coisas que Deus deu a gente para enfrentar tudo isso é a capacidade de se expressar. Tem dias que parece tudo muito maior e mais difícil, mas nesses dias, a gente cresce e fica mais forte também. Beijo e fica bem!